fbpx

Semana Lucrativa 18, um espaço onde comentamos os principais eventos que impactaram os mercados acionistas globais na semana anterior e os resultados financeiros das principais empresas cotadas em Bolsa.

 

Principais eventos da semana:

  • Uma semana mista para os índices: O Russell 2000 manteve-se praticamente inalterado; o Nasdaq caiu 2%; o S&P500 subiu 0.96%; Dow Jones subiu 2.56%; o STOXX 600 subiu 1.61%; CSI-300 caiu 1.48%; e PSI-20 terminou a segunda semana de ganhos com uma subida de 1.79%.
  • Tivemos a mítica Conferência Anual da Berkshire Hathaway, um palco onde aprendemos com os super-investidores Warren Buffett e Charlie Munger.
  • A subida do preço das matérias-primas continua em força, com a prata a liderar (subiu 5.6% só esta semana).
  • Número de novos pedidos de desemprego nos EUA veio nos 498 mil, abaixo do esperado nos 527 mil.
  • Número de empregos não -agrícolas nos EUA veio bem abaixo do esperado: 266mil contra um milhão esperados.
  • Resultados trimestrais:
    • CVS Health: receitas trimestrais aumentaram 3.5% para os $69B YoY. Já os lucros por ação aumentaram 9.8% para os $1.68.
    • Pfizer: receitas subiram 8% para os $14.6B (ou 42% se contarmos com o efeito extraordinário da vacina para a COVID-19). Lucros por ação dispararam 44% para os $0.86.
    • Moderna: receitas trimestrais de $1.9B (em que $1.7B estão relacionadas com a COVID-19); lucro líquido de $1.2B, o primeiro trimestre positivo na história da empresa.
    • Qiagen: receitas trimestrais subiram 52% para os $567 milhões. Lucros por ação dispararam 94% para os $0.66. Os fluxos de caixa operacionais dispararam ainda mais: 700% para os $128.6 milhões.
    • Activision Blizzard: receitas de $2.07B; lucros por ação de $0.79. Só o jogo Call of Duty contribuiu para as receitas subirem 70% YoY para a Activision, fez o número de utilizadores ativos mensais aumentar 40% YoY e ainda atingir um novo máximo nos 150 MAUs para o segmento da Activision.
    • Stellantis: Receitas subiram 14% para os 34.3B de euros. Veículos entregues a subir 12% para os 1.526B.
    • General Motors: lucro total a disparar 10x YoY para os $3B ($2.25 por ação vs. $0.17 em 2020).
    • Lyft: receitas trimestrais caem 36% para os 609 milhões de euros; prejuízos aumentam 7% para os 427 milhões de dólares (ou $0.35 por ação).
    • Uber: Reservas brutas aumentam 24% YoY; receitas trimestrais sobem 8% YoY para os $3.5B; e os prejuízos por ação vêm nos $0.06 (abaixo dos $0.54 esperados).
    • iRobot: receitas trimestrais a aumentarem 58% para os $303 milhões (40% nos EUA, 74% na Europa, Médio Oriente e África; e 53% no Japão). Só a componente de e-commerce aumentou 90% e já representa cerca de 56% de todas as vendas da empresa. Lucros por ação vieram nos $0.26.
    • Hilton Worldwide: a empresa continua a enfrentar enormes dificuldades, com os prejuízos por ação a virem nos $0.39 para o primeiro trimestre, e as receitas por quarto a diminuírem 38.4% face ao mesmo período de 2020. No entanto, no fim de abril de 2021 a empresa já tinha 97% dos seus hotéis abertos.
    • Expedia: prejuízos por ação de $2.02 e receitas de $1.25B, ainda assim melhor do que o esperado. Lucros por ação nos $0.85 quando um ano antes tinha sido -$0.16.
    • Herbalife Nutrition: receitas a subir 18.9% para os $1.5B; lucros por ação a disparar 4x para os $1.33.
    • ViacomCBS: receitas trimestrais aumentaram 14% para s $7.4B. Free Cash Flow aumentou 419% para os $1.6B. O número de subscritores do serviço de streaming continua a aumentar a bom ritmo: +6 milhões para os 35.9 milhões.
    • PayPal: volume total de pagamentos a subir 50% YoY para os $285 biliões; receitas trimestrais a subir 31% para os $6B; e lucros por ação a disparar 13x para os $0.92.
    • Square: Receitas trimestrais de $5.06B, um crescimento de 225% YoY. Lucros por ação de $0.41.
    • CTT: receitas totais trimestrais subiram 14%, com o segmento do serviço expresso a disparar 70% para os 63.4M€, impulsionado sobretudo pelo aumento do consumo online.
    • Corticeira Amorim: vendas totais de 199.6M€, uma queda de 2% face a 2020. Os segmentos de Materiais (-9.6%), Rolhas (-3%), e Revestimentos (-3.1%) viram as receitas diminuírem; e a subir nos segmentos de Compósitos (+9.5%) e Isolamentos (+17.5%). Lucros caem 20% no trimestre para os 16M€. Num olhar mais otimista, a empresa reduziu a sua dívida líquida 32% para os 75.6M€