Select Page

O coronavírus tem feito notícia. Não só pela velocidade com que se propaga e pelas vítimas a lamentar, mas também porque tem afetado os mercados acionistas, pressionando muitas ações.

Mas será que este novo coronavírus tem um impacto real nos mercados acionistas?

Ou será que é só barulho de curto prazo e não afeta os negócios?

O novo coronavírus está a apresentar severos riscos para as ações, ou será que está a oferecer uma oportunidade?

É isso que vamos ver no artigo de hoje.

 

Os coronavírus constituem uma família de vírus que causam doenças que podem ir da simples constipação a estados mais severos de síndromes respiratórias com complicações mais graves para a saúde.

Coronavírus são transmitidos de animais para pessoas.

Conhecem-se alguns coronavírus que no passado infetaram humanos com consequências negativas.

Este novo coronavírus (nCoV) nunca tinha sido identificado em humanos. Em janeiro de 2020 começaram a ser detetados os primeiros casos em Wuhan, na China. Pensa-se terem origem num mercado local que comercializa carnes de animais. Um destes animais poderia estar infetado com o vírus e transmitiu o vírus às pessoas que o comeram.

Os sintomas que uma pessoa infetada por coronavírus apresenta são muito semelhantes aos de uma gripe normal: febre, tosse, dificuldades respiratórias. Em casos mais graves, poderá causar síndromes respiratórias graves, pneumonia, falha nos rins e até a morte.

A Universidade de John Hopkins, nos EUA, juntamente com a Organização Mundial de Saúde e outras entidades, desenvolveram uma plataforma onde se pode acompanhar em tempo real a evolução do coronavírus. Aqui podes ver que países já foram afetados, quantos casos de pessoas afetadas foram reportados por país, quantas pessoas recuperaram e quantas, infelizmente, morreram.

 

 

Nas últimas semanas temos sido inundados de notícias a relatar como este novo coronavírus tem afetado as principais Bolsas de Valores. Todos os dias recebemos notícias a mostrar como o coronavírus afetou os mercados acionistas da Europa aos EUA. As notícias mostram como este vírus faz as Bolsas caírem todos os dias 1%, 2% ou 3%…e como afetam a empresa X, Y ou Z.

Mas será que o coronavírus está mesmo a afetar os mercados, ou é só barulho de curto prazo? Ou será que são só os media a fazer das suas e a causar o pânico entre os leitores?

Quando investimos em ações, temos de colocar as notícias diárias em perspetiva. Quando lemos que algo afeta os mercados, temos de nos questionar se isso é apenas ruído de curto prazo sem influência nos fundamentais das empresas, ou se realmente é uma notícia relevante que vai afetar negativamente as ações que detemos.

 

 

No passado houve vírus bem mais graves que o coronavírus, como o Ébola, a SARS, e a Raiva, Dengue, entre outros.

A Organização Mundial de Saúde estima que todos os anos o vírus da Influenza (que causa a gripe sazonal que todos nós conhecemos) seja responsável entre 290.000 a 650.000 mortes todos os anos. Os meios de comunicação social não noticiam isto porque quando um vírus mata todos os anos…já não é notícia (para eles, pelo menos). Um novo vírus oferece muito mais material para falar durante semanas do que um vírus que, apesar de afetar muito mais gente, causa impacto todos os anos. Os mídia gostam de novidade, não de noticiar “mais do mesmo”.

 

 

Os mercados acionistas subiram sempre. Mesmo tendo enfrentado períodos conturbados como a Primeira e a Segunda Guerra Mundial (que, juntas, mataram mais de 80 milhões de pessoas).

Ou mesmo tendo atravessado períodos em que outros vírus afetaram a Humanidade.

Como por exemplo em 2002, quando a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) era notícia pelos casos infeciosos, mas em que o índice S&P500 (que reúne as 500 maiores empresas dos EUA) subiu mais de 20% nos 12 meses seguintes.

Ou quando em 2006 apareceu a Gripe das Aves, em que o índice S&P500 subiu mais de 18% no ano seguinte.

Ou em 2009, quando estava a ser noticiado que a Gripe Suína iria afetar os mercados, mas em que o índice S&P500 valorizou mais de 35% nos 12 meses seguintes!

 

 

Já estás a ver que este tipo de notícias só causa estragos nos mercados no curto prazo. Isto é tudo ruído de fundo, que não afeta os negócios nos quais estás investido.

O que importa quando és um investidor é o negócio onde estás a investir. São os números que esse negócio apresenta. São os produtos e serviços que essa empresa providencia à sociedade! Se os números forem bons, se a empresa tiver futuro, então tu estarás bem. Não importa se as ações caem no espaço de semanas ou meses por causa duma notícia de um vírus, pois o negócio vai-te trazer rentabilidades elevadas no longo prazo.

O importante é ter um horizonte temporal de investimento alargado. Investe sempre para o longo prazo e ignora estas notícias que só causam problemas no curto prazo.

 

O coronavírus tem afetado os mercados nas últimas semanas? TEM!

Ações de empresas ligadas ao setor do turismo ou à indústria da aviação (companhias aéreas) têm sido particularmente penalizadas pelos investidores com visão de curto prazo. Apesar dos negócios subjacentes serem ótimos, algumas empresas têm visto as suas ações cair em Bolsa, porque as pessoas estão a olhar para o que os noticiários dizem e não para os fundamentais das empresas.

Mas isto poderá oferecer uma oportunidade ótima ao investidor inteligente! Pois algumas ações estão a entrar em terreno de saldo. Quando as ações caem injustificadamente/irracionalmente, os investidores atentos aproveitam os preços de saldos para comprar novas empresas ou reforçar posições em empresas excelentes.

Tu poderás fazer o mesmo!

Fica atento nas próximas semanas a ações ligadas a companhias aéreas e do setor do turismo, estuda os seus negócios, e analisa as oportunidades.

Ignora as notícias que afetam os mercados no curto prazo e foca-te no valor dos negócios.

 

Saudações lucrativas,

Frederico Santarém